• Marketing de Produtos

Você namora o seu negócio? 🏬



Se buscarmos a definição no dicionário, uma das possíveis é: empenhar-se em inspirar amor a (alguém); galantear, cortejar. O relacionamento com o seu negócio e o seu público-alvo também pode aproveitar muito desse significado sobre namorar.


Ninguém é feliz ou realizado em um relacionamento em que não há uma intenção clara de “fazer dar certo”, ou que não se sinta valorizado e sinta uma disposição da outra parte para seduzir, encantar. E se essa intimidade não for autêntica então... a coisa desanda de vez!


A paixão do início do namoro tende a ceder lugar para um sentimento mais complexo, robusto, diferenciado. Algo que é mais blindado frente à outras investidas afinal, um patrimônio (seja financeiro, social, amoroso, etc.) foi construído em conjunto e abrir mão de tudo isso é extremamente custoso.


Por isso a importância da veracidade.


Assim como você tende a ter padrões preestabelecidos de seu parceir@ ideal e costuma focar nesse perfil, e quando encontra essa pessoa que se encaixa nos seus critérios investe todas as energias para conquista-la e mostrar o melhor que você tem a oferecer.


Uma vez que os laços foram estreitados com @ parceir@, há uma nutrição sobre quem é você, seus interesses. Aos poucos el@ vai lhe conhecendo melhor, entendendo sua psique, passa a admirá-lo, constrói lembranças fortes sobre momentos bons, o vínculo é fortalecido. Uma ligação se forma.


E assim como os relacionamentos amorosos, possui altos e baixos. Existem momentos em que você se posiciona sobre algo que não lhe agrada e precisa deixar claro coisas que você não está disposto a fazer, seja porque não reflete a sua personalidade e crenças, ou porque naquele momento não é algo que lhe faça sentido.


E vai doer. Principalmente no outro, ao se frustrar por não conseguir de você aquilo que queria. E como você vai reagir?


· Voltar atrás e fazer algo que não soa adequado para você e correr o risco de incentivar um comportamento mal intencionado?

· Vai esclarecer que apesar de nessa ocasião você não poder atender às expectativas dela, você pode ajudar em muitas outras situações?

· Vai avaliar se realmente é algo que pode ser relevado em prol de algo maior e, a outra pessoa também cedeu a seu favor em outras vezes?


Para mim, é como ao ter um negócio é a mesma coisa: bate na porta um interessado no seu produto, mas ele quer customizar ou descaracterizá-lo totalmente, não consegue perceber o valor agregado afinal (ele não entendeu o problema que o seu produto resolve e por isso quis construir uma solução da cabeça dele) e reclama do preço, impõe várias condições que podem acabar com a sustentabilidade do seu negócio e, quando você avalia potencial de crescimento de futuras compras nem é tão promissor assim. Você faz o que?


· Acata todas as demandas, fica com um produto descaracterizado e que não atende em escala outros clientes?

· Resgata a qualificação do cliente ideal e entende que esse interessado não irá trazer ganhos no longo prazo, recusando a oportunidade?

· Aborda o interessado e oferece uma co-participação (ambas as partes bancam um pedaço do investimento)?

· Avalia o potencial de mercado, o problema que será resolvido com essas demandas do interessado e, se fizer sentido e tiver público consumidor relevante pode considerar em fazer uma extensão de linha?


Indo à frente no tempo, suponha que você já se relaciona com @ parceir@ há algum tempo. O que você faz para continuamente encantá-l@? Nesse ponto el@ já conhece seus defeitos e embora ame suas qualidades às vezes pode ser legal trazer um frescor e lembra-l@ do que os uniu. Podem ser flores, escapadas românticas, pequenos gestos que demonstrem o cuidado e carinho e por aí vai.


Enfim, quando enxergamos o negócio apenas como algo distante do seu dia-a-dia, que funciona totalmente diferente de qualquer outro aspecto da sua vida pessoal, tendemos a sentir que as decisões e os caminhos para geri-lo são complexos e até um bicho de 7 cabeças.


Mas a verdade é que quando estruturamos uma ideia e ela tem potencial suficiente para virar uma empresa, que resolve problemas reais de um grupo de pessoas que possuem características e critérios estabelecidos por você, temos clareza de que quem está por trás das transações comerciais são pessoas, ainda que sua oferta seja comprada por uma outra empresa. São pessoas que pesquisa, avaliam e decidem a compra.


Quando sabemos ao certo quem queremos ao nosso lado, quando nos dispomos a entende-los, o relacionamento se torna autêntico e acabamos dominando a forma como como nos comunicarmos com eles. E assim, conseguimos guia-los no entendimento de qual o problema que os impacta até a solução (seu produto) de uma maneira verdadeira, com argumentos e consolidando assim, um relacionamento (um namoro, porque não kkk) sólido e próspero para ambas as partes!


Feliz dia dos namorados!!!


<3

14 visualizações

©2019 by Marketing de Produtos